Comunicação entre humanos e cães

 

Os pesquisadores da Universidade Estadual da Carolina do Norte gostam mesmo de animais. Depois de criarem as baratas cyborg, agora eles vieram com uma maneira de fazer cachorros se comunicarem. Não exatamente como apresentado no filme da Pixair/Disney, “Up – Altas Aventuras“, mas ainda assim algo que pode ser revolucionário. Embora não tenham desenvolvido um colar fantástico para dar aos caninos uma voz literal, eles criaram um arnês multifuncional que pode melhorar a comunicação entre humanos e cães.

“Nós desenvolvemos uma plataforma de comunicação entre humanos e cães mediada por computador, que abre as portas para novos caminhos na interpretação de sinais comportamentais dos cães e que envia sinais claros e inequívocos em troca”, diz o Dr. David Roberts, um professor assistente de Ciência da Computação na NC State e co-autor de “Towards Cyber-Enhanced Working Dogs for Search and Rescue,” um artigo sobre o trabalho.

O protótipo do equipamento, chamado “Cyber-Enhanced Working Dog“, é semelhante a uma pequena mochila e visa permitir a comunicação entre humanos e cães através de alto-falantes e motores de vibração (feedback háptico) colocados em oito pontos no arnês para traduzir essencialmente instruções dos humanos. Dr. Roberts diz que os cães seriam treinados para responder a cerca de 100 sinais diferentes.

 

Comunicação entre humanos e cães

 

O protótipo do arnês pesa aproximadamente 1,8 Kg e também se destina a permitir que os cães possam passivamente se “comunicar” com os seres humanos por meio de um pequeno computador chamado BeagleBone Black, que é aproximadamente do tamanho de um baralho de cartas. O computador permite aos seres humanos acompanhar o que o cachorro está fazendo quando eles estão fora de vista (por exemplo, correndo, sentado, em pé) , enquanto os sensores fisiológicos monitoram a freqüência cardíaca e a temperatura corporal, podendo dar uma excelente ideia da saúde física do cão e seu estado emocional .

O Cyber-Enhanced Working Dog tem uma autonomia de cerca de oito horas e pode ser personalizado para diferentes casos de uso. Por exemplo, se um cão está caminhando para uma missão de busca e salvamento, os sensores podem ser ligados para detectar vazamentos de gás e uma câmera e um microfone podem ser utilizados para recolher mais informações.

O aparelho também pode ser usado para controlar o estresse de cães-guia para cegos. Isso gera um acompanhamento dos níveis de estresse, algo importante para cães de trabalho, pois controlar e aliviar o estresse pode melhorar e prolongar a vida de um cão, de acordo com os pesquisadores.

Dr. Roberts e sua equipe têm planos de fazer versões menores do arnês para cães de pequeno porte. Torçamos para que a técnica se desenvolva, pois antes de mais nada, enxergamos uma possibilidade de melhoria na qualidade de vida dos animais.

 

(Via Digital Trends)

Sobre o autor

Administrador e Editor - Graduado em Tecnologia da Informação e hard user de tecnologia