O tempo vai passando, a tecnologia avançando e os robôs ficando cada vez mais loucos. Já temos o cão robô e até o robô inseto, mas este pequeno robô origami é definitivamente um dos mais impressionantes que vimos recentemente. Ele foi apresentado na ICRA 2015, uma conferência de robótica e automação, que ocorreu essa semana em Seattle, nos EUA.

Robô Origami

Desenvolvido por cientistas do MIT (Shuhei Miyashita e Daniela Rus, dentre outros), o bot começa a vida como um fino pedaço de PVC, do tamanho de um selo postal, espremido entre camadas estruturais cortadas a laser, feita de poliestireno. Quando colocado em uma superfície aquecida, a camada de PVC, graças a uma série de cortes estrategicamente realizados, faz com que o bot se dobre e adquira a forma de um origami, com pernas e um corpo.

Uma vez adquirida essa forma, o pequeno robô origami, que só pesa 300 miligramas, é capaz de andar, carregar uma carga duas vezes maior que o seu peso e nadar. Ao final, ele pode ser facilmente dissolvido, depois de todas as suas peripécias de exibição.

Mas qual ao mecanismo de funcionamento? A transformação é possível porque o robô origami carrega um pequeno ímã de neodímio em sua parte traseira. Quando este ímã é exposto a um campo magnético externo, ele começa a oscilar, fazendo assim com que o próprio robô sofra vibrações junto com ele. Quando isso acontece, movem-se as costas do robô e as pernas dianteiras entram em contato com o solo de uma forma irregular. Graças ao seu design assimétrico e intencionalmente fora do centro de equilíbrio, faz com que o bot se movimente lentamente para a frente.

Robô Origami

O mecanismo surpreendente muito porque, com apenas um pouco mais que a mudança da freqüência do campo magnético externo, é possível “orientar” o robô origami a executar várias tarefas. No vídeo abaixo, os pesquisadores exibem sua capacidade de caminhar ou nadar, obedecendo a um determinado padrão. Ele até mesmo empurra outros objetos, de um local para outro.

Após concluir sua missão, o robô origami também pode destruir a si mesmo, de forma autónoma, como que para esconder as provas. O bot irá se dissolver lentamente se for mergulhado em acetona, eliminando seus rastros. O ímã de neodímio , então será a única pista da ação do robô.

Robô Origami

Os pesquisadores ainda não apresentaram muitas aplicações práticas para o projeto. Mas dizem que mas à frente, esperam reduzir o bot ainda mais e integrar sensores em seu corpo. Depois disso, sim, eles esperam projetar, robôs minúsculos, totalmente autônomos, que poderão trabalhar dentro do corpo humano. Que coisa!!!

Veja o video:

Via Digital Trends

Sobre o autor

Administrador e Editor - Graduado em Tecnologia da Informação e hard user de tecnologia