A Apple hoje chegou a um acordo com a União Européia para que comece a depositar os 13 bilhões de euros (equivalente a 50 bilhões de reais) em impostos atrasados ​​que foi condenada a pagar a Irlanda no ano passado, de acordo com The Wall Street Journal.

Apesar de a decisão ter sido emitida há mais de um ano, em agosto de 2016, a Irlanda resistiu em cobrar o dinheiro. O país usa estrategicamente baixas taxas de impostos para estimular o investimento doméstico de empresas estrangeiras. Mas a prática resultou em empresas como a Apple, usando efetivamente a Irlanda como abrigo fiscal, pagando taxas iguais a 0,005 por cento em todos os lucros europeus entre os anos de 2003 e 2014.

Por causa da “passividade” da Irlanda, a UE encaminhou caso para o Tribunal de Justiça Europeu, que é o tribunal supremo do bloco, para obrigar o país a cobrar os impostos atrasados. O ministro das Finanças irlandês, Paschal Donohoe, anunciou hoje que a Irlanda espera que a Apple comece a depositar o dinheiro em uma conta de custódia, a partir do primeiro trimestre de 2018.

Tanto a Apple quanto o governo da Irlanda estão apelando da decisão, e parece que os executivos da Apple esperam recuperar o dinheiro, caso seja bem-sucedida. “Temos uma equipe dedicada trabalhando diligentemente com a Irlanda no processo que a Comissão Européia mandou”, afirmou a Apple em uma declaração dada ao WSJ. “Continuamos confiantes de que o Tribunal Geral da UE irá revogar a decisão da Comissão depois de ter analisado todas as provas”.

Via engadget

Sobre o autor

Editor – Graduado em Marketing e hard user de tecnologia